Rádio CN Agitos

sábado, 25 de janeiro de 2014

Pular o café da manhã pode aumentar risco de diabetes e ataque cardíaco.

Estudos sugerem que não se alimentar pela manhã aumenta o risco de doenças do coração e problemas como obesidade e pressão alta.
 Foto: Getty Images 
Não tomar café da manhã pode ser uma rotina pouco saudável e de consequências perigosas. Além de não prover a energia necessária para o dia que acaba de começar, quem pula a refeição tem 21% mais chances de desenvolver a diabetes II, de acordo com o American Journal of Clinical Nutrition.
Um estudo similar da Universidade de Harvard com quase 27 mil homens chegou a conclusões parecidas. Pesquisadores afirmam que quem não come nada de manhã tem um risco 27% maior de ter um ataque cardíaco ou morte por doenças do coração.
De acordo com Leah Cahill, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, não tomar café da manhã também abre as portas para problemas de obesidade, pressão alta e colesterol alto, além de diabetes, doenças que podem levar a ataques cardíacos.
 Fonte-terra

sábado, 18 de janeiro de 2014

Campanha prevê corte de até 30% do açúcar em alimentos industrializados.

Especialistas afirmam que cortes graduais na quantidade de açúcar não devem ser notados pelas pessoas, mas irão resultar na redução de calorias  Foto: Getty Images
Especialistas afirmam que cortes graduais na quantidade de açúcar não devem ser notados pelas pessoas, mas irão resultar na redução de calorias  
Especialistas em obesidade estão lançando uma campanha no Reino Unido para colocar pressão no governo e na indústria para que cortem o açúcar contido nos alimentos e bebidas em até 30%. As informações são do site do jornal britânico The Guardian.

Os cientistas e médicos por trás da ação “Action Sugar” afirmam que cortes graduais na quantidade de açúcar em pratos prontos, cereais, doces e refrigerantes não devem ser notados pelas pessoas, mas irão resultar na redução de calorias consumidas.

Uma diminuição de 20% a 30% de açúcar pode resultar em 100 calorias diárias a menos– e mais ainda para quem o consome muito. Isto é o suficiente para reverter ou pelo menos parar o crescimento da epidemia de obesidade e reduzir o número de casos de diabetes e outras doenças, dizem os especialistas.

A Action Sugar tem o objetivo de fazer algo parecido com o que foi realizado na década de 90, em uma campanha chamada Cash (Consensus Action on Salt and Health –  Ação de Consenso sobre Sal e Saúde), que teve sucesso ao reduzir os níveis de sal na comida. “Na maioria dos produtos dos supermercados, o sal caiu entre 25% e 40%”, disse Graham MacGregor, professor que participou da ação.

As pessoas não perceberam a diferença. Mas os cereais Kellogg’s, por exemplo, contêm 60% menos sal do que costumavam ter. A indústria argumenta que o açúcar é uma forma de carboidrato, que é necessário na dieta, e que é preciso cortar calorias para emagrecer e não necessariamente o açúcar. “O açúcar, assimo como qualquer outro nutriente, consumido como parte de uma dieta equilibrada, não é a causa da obesidade. Não existe uma única solução”, afirma a Food and Drink Federation.

O cardiologista e diretor científico Aseem Malhotra discorda e pontua estudos que associam o excesso de açúcar com diabetes, em pessoas acima do peso ou não. "A adição de açúcar não tem nenhum valor nutricional e o corpo não precisa disso", alerta. A campanha nasceu a partir da preocupação com o açúcar escondido em alimentos processados, como por exemplo as nove colheres de sopa em 330 ml de Coca-Cola e as quatro colheres em 300 gramas de sopa de tomate.

Simon Capewell, professor da Liverpool University, diz que o açúcar é o “novo tabaco”. “Em todo lugar, as bebidas com açúcar e as junk foods pressionam pais e filhos por uma indústria focada em lucro, e não em saúde”, afirma. O Departamento de Saúde afirma que ajudar as pessoas a ingerirem menos calorias, incluindo o açúcar, é  achave para a redução da obesidade. Já existem 38 empresas envolvidas no acordo, mas o governo quer ir além e conquistar novos aliados. Como parte do compromisso de redução de calorias, a Coca-Cola já diminuiu o nível em algumas de suas marcas de refrigerantes em pelo menos 30%.
Fonte:Terra.

domingo, 12 de janeiro de 2014

ATENÇÃO - Calor pode aumentar risco de formação de pedra nos rins.

 
O calor intenso do verão, o aumento da transpiração e a baixa ingestão de água são os principais responsáveis pelo aumento do risco de formação dos cálculos renais, ou pedra nos rins. Mudar a alimentação e beber líquidos regularmente são algumas medidas que podem evitar o problema, explica Fábio Vicentini, urologista do Centro de Referência para a Saúde do Homem, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.
Segundo Vicentini, os casos de cálculo renal aumentam 30% nos períodos mais quentes do ano. Apesar de ter maior incidência nos homens, o especialista alerta que todos devem adotar as medidas para cuidar da saúde dos rins. "A dieta ideal inclui primordialmente a ingestão de cerca de dois litros de água por dia e de sucos de frutas cítricas, associada à diminuição do uso de sal nos alimentos. As refeições diárias devem conter mais verduras, legumes, frutas e saladas", explica.
É preciso ainda estar atento quanto aos frutos do mar, porque apresentam índice elevado de ácido úrico, um dos responsáveis pelo desenvolvimento dos cálculos renais. Além disso, é recomendável reduzir as frituras e o consumo de carne vermelha no período de calor.
Segundo Vicentini, mais de 15% da população mundial apresenta cálculos renais e a maioria (85%) consegue expelir as pedras naturalmente, pela urina. "A maneira mais fácil de monitorar a hidratação ideal do corpo é observarmos a coloração da urina. Quanto mais transparente estiver, melhor. Se estiver com aparência amarelada e escura, é sinal de que o corpo precisa de mais líquidos para manter-se hidratado, longe dos cálculos renais", disse.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Tenha uma alimentação saudável e adequada ao verão.

Muita gente passa o ano inteiro se preparando para o verão, principalmente com uma alimentação mais restrita aliada aos exercícios físicos. Mas os cuidados devem permanecer na estação mais quente do ano, especialmente com o que se come. Segundo a nutricionista funcional Chris Vitola, alimentos ricos em gorduras e o excesso de carboidratos devem ser evitados.

Outro cuidado, segundo a especialista, é com o que se bebe. Quem não consegue ingerir muita água pode optar pelos sucos. E atenção para quem não dispensa aquela cervejinha no fim do dia: "bebida alcoólica é caloria vazia, engorda e não traz nenhum benefício".

Quer saber mais dicas de alimentação no verão?
hagah: Quais alimentos devem ser prioridade no verão?
Chris Vitola:
Devemos sempre optar por alimentos leves, de fácil digestão e ricos em água, como saladas, frutas, sucos, smothies, legumes refogados, peixes, carnes magras, dentre outros. Devemos ter cuidado com frituras, alimentos industrializados ricos em sódio, excesso de carboidratos... Enfim, devemos ter uma alimentação rica em vitaminas e minerais. Temos que cuidar com o excesso de sal pois no calor a tendência à retenção hídrica é maior e com o excesso de sal isso só piora, sem falar nos danos que o excesso de sódio causa para a saúde. Temos que buscar ingerir mais sucos, chás e água para repor a água e minerais perdidos pela transpiração.

dicas de alimentação no verão

hagah: E o que não se deve ingerir - ou, o que se deve evitar - quando as temperaturas estão muito altas?
Chris Vitola:
Temos que ter alguns cuidados com alimentos muito pesados e de difícil digestão, isso porque o organismo precisa de energia para manter a temperatura do corpo estável e não deve perder essa energia com a digestão. Isso faz com que a digestão fique lenta e a temperatura do corpo instável. Devemos ter uma maior atenção com alimentos que estragam facilmente e podem gerar intoxicações alimentares, como maionese, creme de leite, ostras cruas, salpicão, entre outros.

hagah: Quais alimentos ajudam a hidratar o corpo no verão?
Chris Vitola:
Água de coco, sucos naturais, frutas ricas em água como melão, melancia, laranja, maçã, sorvetes de frutas, saladas de frutas e, é claro, muita água.

dicas de alimentação no verão

hagah Para quem está na praia, a água de coco é um bom aliado para se manter hidratado?
Chris Vitola:
É perfeita pois é um hidratante natural! Contém muitas vitaminas e minerais que precisamos repor, é um isotônico natural.

hagah: No verão, muitos estão na praia e não dispensam aquela cervejinha. A princípio, ela pode até refrescar, mas e depois? A bebida alcoólica deve ser evitada no calor?
Chris Vitola:
A bebida alcoólica não é indicada porque ela é diurética e acabamos desidratando digamos assim. E com isso perdemos, através da urina, nutrientes essencial para a manutenção da hidratação. E bebida alcoólica é caloria vazia, engorda, e não te traz nenhum benefício.

dicas de alimentação no verão

hagah: Você poderia nos indicar cinco alimentos que têm maior quantidade de água e que devem ser incluídos no cardápio?
Chris Vitola:
Melancia, melão, alface, pepino e abacaxi.

dicas de alimentação no verão

hagah: Quem não consegue consumir muita água, os sucos podem ser bons substitutos?
Chris Vitola:
Sim, podem sim, inclusive se pode utilizar também os “suchás”, que são sucos feitos com chás. Devemos ter cuidado só com o índice glicêmico desses sucos, porque até mesmo as frutas em excesso engordam, principalmente quando possuem um alto índice glicêmico, ou seja, quando são muito doces, como por exemplo suco de manga, suco de laranja, suco de mamão.